Bem-vindo, visitante ( Entrar | Registrar )

  Rating ---

entry Feb 12 2024, 09:33 PM
Os dias da Alemanha como superpotência industrial estão chegando ao fim

* por Wilfried Eckl-Dorna , Jana Randow , Carolynn Look e Petra Sorge | Bloomberg

Em uma imensa sala de produção em Düsseldorf no outono passado (primavera no Hemisfério Sul), os tons sombrios de um tocador de trompa acompanharam o ato final de uma fábrica centenária.

Em meio ao tremular de tochas e archotes, muitas das 1.600 pessoas que perderam seus empregos permaneceram impassíveis enquanto o metal incandescente do último produto da fábrica —um tubo de aço— era alisado até se tornar um cilindro perfeito em um laminador.

A cerimônia marcou o fim de uma trajetória de 124 anos que começou no auge da industrialização alemã e resistiu a duas guerras mundiais, mas não conseguiu sobreviver às consequências da crise energética.

Houve vários exemplos de finais semelhantes ao longo do último ano, destacando a dolorosa realidade que a Alemanha enfrenta: seus dias como uma superpotência industrial podem estar chegando ao fim. A produção manufatureira na maior economia da Europa tem apresentado uma tendência de queda desde 2017, e a queda está se acelerando à medida que a competitividade diminui.

"Não há muita esperança, sejamos honestos", disse Stefan Klebert, CEO da GEA Group AG —fornecedora de máquinas de fabricação que remonta ao final do século 19. "Estou realmente incerto se podemos deter essa tendência. Muitas coisas teriam que mudar muito rapidamente."

Os alicerces da máquina industrial da Alemanha estão caindo como dominós. Os Estados Unidos estão se afastando da Europa e buscando competir com seus aliados transatlânticos em investimentos climáticos. A China está se tornando um concorrente maior e não é mais um comprador insaciável de produtos alemães. O golpe final para alguns fabricantes pesados foi o fim dos volumes enormes de gás natural barato da Rússia.

Ao lado da volatilidade global, a paralisia política em Berlim está intensificando problemas domésticos de longa data, como infraestrutura precária, força de trabalho envelhecida e emaranhado de burocracia. O sistema educacional, antes uma força, é emblemático de uma falta de investimento de longo prazo em serviços públicos. O instituto de pesquisa Ifo estima que a queda nas habilidades matemáticas custará à economia cerca de €14 trilhões (mais de R$ 75 trilhões) em produção até o final do século.

Em alguns casos, a desaceleração industrial está ocorrendo em pequenos passos, como reduzir planos de expansão e investimento. Outros são mais evidentes, como transferir linhas de produção e reduzir funcionários. Em casos extremos —como a planta de tubos da Vallourec SACA, que já fez parte do gigante industrial caído Mannesmann— a consequência é o fechamento permanente.

"O choque foi enorme", disse Wolfgang Freitag, que trabalhou na planta desde a adolescência. O trabalho do homem de 59 anos agora é desmontar equipamentos para venda e ajudar seus antigos colegas a encontrar novos empregos.

A Alemanha ainda possui uma invejável lista de pequenos fabricantes ágeis, e o Bundesbank e outros rejeitam a ideia de que a desindustrialização total esteja próxima. Mas, com as reformas paralisadas, não está claro o que vai desacelerar a queda.

"Não é preciso ser pessimista para dizer que o que estamos fazendo no momento não será suficiente", disse Volker Treier, chefe de comércio exterior das Câmaras de Comércio e Indústria da Alemanha. "A velocidade da mudança estrutural é vertiginosa."

A frustração é generalizada. Embora centenas de milhares de pessoas tenham saído às ruas nas últimas semanas para protestar contra o extremismo de direita, o partido anti-imigração Alternativa para a Alemanha, ou AfD, está à frente de todos os três partidos governantes nas pesquisas —atrás apenas do bloco conservador. A aliança liderada pelo social-democrata Scholz tem o apoio de 34% dos eleitores, de acordo com uma análise recente das pesquisas pela Spiegel.

A perda de competitividade industrial ameaça mergulhar a Alemanha em uma espiral descendente, segundo Maria Röttger, chefe do norte da Europa da Michelin. A fabricante francesa de pneus está fechando duas de suas fábricas alemãs e reduzindo o tamanho de uma terceira até o final de 2025, afetando mais de 1.500 trabalhadores. O rival americano Goodyear tem planos semelhantes para duas instalações.

"Apesar da motivação de nossos funcionários, chegamos a um ponto em que não podemos exportar pneus de caminhão da Alemanha a preços competitivos", disse ela em uma entrevista. "Se a Alemanha não puder exportar de forma competitiva no contexto internacional, o país perderá uma de suas maiores forças."

Outros exemplos de declínio surgem regularmente. A GEA está fechando uma fábrica de bombas perto de Mainz em favor de um local mais novo na Polônia. A fabricante de autopeças Continental AG anunciou planos em julho para abandonar uma planta que produz componentes para sistemas de segurança e freios. A concorrente Robert Bosch GmbH está em processo de redução de milhares de trabalhadores.

A crise energética no verão de 2022 foi um grande catalisador. Embora cenários pessimistas como casas congeladas e racionamento tenham sido evitados, os preços continuam mais altos do que em outras economias, o que aumenta os custos com salários mais altos e complexidade regulatória.

Um dos setores mais afetados foi o químico —resultado direto da perda da Alemanha de gás russo barato. Com a transição para o hidrogênio limpo ainda incerta, quase uma em cada dez empresas planeja interromper permanentemente os processos de produção, de acordo com uma pesquisa recente da associação industrial VCI. A BASF SE, maior produtora química da Europa, está cortando 2.600 empregos e a Lanxess AG está reduzindo a equipe em 7%.

A burocracia lenta da Alemanha também não está acompanhando, mesmo quando as empresas estão dispostas a investir. A GEA instalou capacidade solar em uma fábrica na cidade alemã de Oelde, onde fabrica equipamentos que podem separar creme do leite. Ela solicitou permissões para alimentar a energia em janeiro passado, dois meses antes de iniciar a construção, e ainda está aguardando aprovação —quase dois anos após iniciar o projeto.

A escassez de energia veio logo após as interrupções causadas pela pandemia, que levaram a linhas de montagem paradas enquanto os fabricantes de automóveis alemães esperavam meses por chips e outros componentes, destacando os riscos de depender de uma rede de fornecedores distantes, especialmente na Ásia.

A China está causando problemas para a Alemanha de várias maneiras. Além de sua mudança estratégica para a fabricação avançada, uma desaceleração da economia da superpotência asiática está minando ainda mais a demanda por produtos alemães. Ao mesmo tempo, a concorrência barata da China preocupa setores-chave para a transição climática da Alemanha —e não apenas carros elétricos.

Os fabricantes de painéis solares estão fechando operações e reduzindo a equipe, pois lutam para competir com concorrentes chineses apoiados pelo Estado. A Solarwatt GmbH, sediada em Dresden, já reduziu 10% de sua força de trabalho e pode transferir a produção para o exterior se a situação não melhorar neste ano, segundo o CEO Detlef Neuhaus.

Os ventos contrários da Alemanha exigem adaptação. Para a EBM-Papst, produtora de ventiladores, a crise industrial significou adquirir um fornecedor em dificuldades. E, para se manter ágil, a empresa transferiu a produção para componentes de bombas de calor e centros de dados, afastando-se do setor automotivo. Também está procurando transferir algumas tarefas administrativas para o leste europeu ou Índia.

"Não é apenas energia", disse o CEO Klaus Geißdörfer em uma entrevista. "Também é a disponibilidade de pessoal na Alemanha, que agora está muito tensa." Em uma década, a população em idade de trabalho será muito pequena para manter a economia funcionando como hoje, acrescentou.

O Bundesbank concluiu em um relatório de setembro que uma queda na manufatura —que representa pouco menos de 20% da economia, quase o dobro do nível dos Estados Unidos— não é preocupante, se for gradual.

Essa tendência pode significar o fim da estrada para fabricantes mais básicos, como a fábrica de tubos em Düsseldorf. Freitag, membro do conselho de fábrica, está ajudando a preparar o terreno de 90 hectares para venda. Grande parte do equipamento acabará em um ferro-velho, o que "faz meu coração e meus olhos chorarem", disse ele.

 
« Next Oldest · With or Without Money · Next Newest »
 
DSTQQSS
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31