Bem-vindo, visitante ( Entrar | Registrar )

  Rating ---

entry Feb 17 2007, 11:00 PM
Brasil pagará US$ 100 mi a mais por gás boliviano

* por Jeferson Ribeiro Reuters


Brasil e Bolívia chegaram a um acordo para aumentar a receita boliviana com a exportação de gás natural. A partir do dia 15 de março, a Petrobras passará a pagar para a Bolívia não só pelo gás, mas também pelos subprodutos que vêm misturados ao insumo.

Hoje, o gás enviado pela Bolívia é rico também em GLP (mistura de metano e butano), etano e gasolina natural. Essas commodities têm valor alto no mercado internacional e, agora, serão pagas em separado pela cotação internacional. O acordo, segundo o presidente Luiz Inácio Lula da Silva e o presidente da Bolívia, Evo Morales, atende aos interesses dos dois países e mantém as regras do atual contrato. Segundo o ministro de Hidrocarbonetos e Energia da Bolívia, Carlos Villegas, a adição contratual pode render cerca de US$ 100 milhões ao ano para o País.

No início das negociações, os bolivianos exigiam um reajuste de US$ 4,20 para US$ 5 por milhão de BTU importado pelo Brasil. Porém, esse aumento era considerado pelos negociadores brasileiros pouco factível e sem base técnica e econômica. Contudo, a Bolívia queria de qualquer forma aumentar a receita com a exportação de gás.

Então os bolivianos propuseram o pagamento dos gases nobres que eram exportados junto com o gás natural. A Petrobras aceitou a proposta. Porém, a estatal não tem como utilizar os subprodutos ainda. Segundo o presidente da empresa, Sérgio Gabrielli, os gases nobres só poderão ser usados se a empresa construir uma planta de separação desses insumos, o que ainda vai demandar pelo menos um ano e algum investimento.

No ano passado, a Bolívia recebeu aproximadamente US$ 1,2 bilhão pelo contrato do Gasbol (Gasoduto Brasil Bolívia). A estimativa é que com o aditivo contratual esse valor suba em torno de 3% ou 4%. Porém, a rentabilidade pode ser bem maior, porque o volume dos gases adicionais será medida diariamente. A quantidade desses subprodutos no gás natural depende do valor calorífico que o gás é enviado para o Brasil.

Segundo Gabrielli, o pagamento adicional pelos subprodutos não será repassado para as distribuidoras estaduais de gás, a Petrobras irá arcar com esse custo adicional. "Os contratos com as distribuidoras estão postos e, portanto, não há alteração", disse.

Cuiabá
Os bolivianos conseguiram também um reajuste de 252% sobre o preço do gás fornecido para a Termo Cuiabá. Hoje, a termelétrica paga apenas US$ 1,19 por milhão de BTU de gás natural importado da Bolívia. Como o preço era considerado completamente defasado por ambas as partes, foi acertado um reajuste para US$ 4,20 por milhão de BTU.

Segundo o ministro de Minas e Energia, Silas Rondeau, esse aumento será repassado aos consumidores da térmica, porém o impacto será bastante inferior aos 252% pagos a mais para os bolivianos.

Nesse caso, Villegas estima que a Bolívia terá uma receita adicional de aproximadamente US$ 44 milhões por ano.

 
« Next Oldest · With or Without Money · Next Newest »
 
DSTQQSS
23
24
25
26
27
28
29
30
31




IPS Driver Error  

There appears to be an error with the database.
You can try to refresh the page by clicking here.

Error Returned

We apologise for any inconvenience