Bem-vindo, visitante ( Entrar | Registrar )

  Rating ---

446 Páginas V « < 443 444 445 446 >
entry Jul 4 2006, 11:16 PM
Morando na sua próxima Toyota

* por Associated Press

A gigante fabricante de carros utiliza sua linha de montagem tradicional para construir casas pré-fabricadas. Nelas figuram chaves inteligentes, redução de ruído-- e até mesmo paredes resistentes à risco.

Módulos que são unidades de casas, com escadas, armários embutidos e banheiras cor-de-rosa, saem da linha de montagem na planta da Toyota no Japão central -- não é uma linha usual de carros brilhantes.

Kasugai Housing Works, uma planta para casas pré-fabricadas dirigida pela Toyota Motor Corp., orgulha-se dos mesmos métodos de produção que deram à fabricante de carros japonesa a reputação por qualidade e eficiência ao redor do mundo. A planta foi mostrada aos repórteres num raro tour recentemente.

Uma casa em 6 horas
A fabricação de casas participa com menos de 1% das vendas de anuais da Toyota que chegam a $183 bi. Contudo os diretores dizem que a tecnologia adquirida durante anos da fabricação de carros é primordial para a fabricação de casas do estilo Toyota.

Uma "chave inteligente" similar à chave do carro que você não precisa tirar do bolso para destravar sua Toyota, abre e fecha a porta da frente. Um mecanismo para redução de ruídos e tremores é instalado sob o chão para diminuir os movimentos do andar superior. As habilidades de pintura dos carros fornecem até mesmo uma camada resistente à riscos nas paredes.

As casas Toyota são produzidas em massa como os carros Toyota. Cerca de 85% do trabalho nos módulos de metal são finalizados na fábrica. Os módulos pré-fabricados, sob encomenda, são montados como blocos de brinquedo com um grande guindaste e concluidos com um teto em apenas seis horas.

Os módulos, chamados de unidades, variam em tamanho, com os maiores medindo 6.096 metros. Uma casa média japonesa requer 12 unidades. O comprador escolhe entre diferentes designs, do insinuante moderno ao modelo padrão com telhas e janelas na varanda.

Proprietários individuais visitam o "parque das casas" no Japão, onde a Toyota e fabricantes rivais montaram casas-modelo. Os clientes realizam o pedido misturando e combinando os layouts, interiores e materiais de acordo com suas necessidades.

Carros, não casas, ainda são a regra da Toyota
Toyota, a segunda maior fabricante mundial de carros, só atrás da General Motors, entrou no mercado de casas em 1975 e ainda é um jogador menor na fabricação de casas.

Um desafio é que os apartamentos participam mais do que a metade da construção de casas no Japão devido ao elevado valor das terras.

Até mesmo os chamados "Big Five" da construção de casas pré-fabricadas controlam apenas cerca de 14% do mercado de casas, porque os japoneses tendem a comprar casas existentes ou contratar carpinteiros da vizinhança. Mas um escandalo recente envolvendo um arquiteto suspeito de desenvolver edifícios com uma falsa resist6encia a terremotos está chamando a atenção para as casas.

Toyota fez somente 4,600 casas ano passado, e está planejando 5,000 casas para este ano. Mas é a longo prazo, registrando 50 meses seguidos de crescimento em vendas anuais. O alvo é de 7,000 casas por ano até 2010.

O presidente da Toyota Housing, Teiji Tachibana, reconhece que as casas japonesas sofrem de uma péssima imagem, de minúsculas, reles "tocas de coelho" se comparadas às casas mais espaçosas como a Européia e a Norte-Americana.

Mas as casas Toyota, que custam cerca de $227,000 dólares cada -- média da classe média japonesa -- são construídas para suportar terremotos que são comuns no Japão e ostentam o uso inteligente de espaços restritos, um "must" para esta nação que se situa numa ilha, de acordo com a Toyota.

"Nós podemos não estar habilitados a competir em espaço," disse Tachibana. "Mas as casas Toyota são de altíssima qualidade global."

Akio Fukuda, pesquisador na Real Estate Economic Institute in Tokyo, acredita que a Toyota Housing tem potencial, apesar de que encara uma forte competição do Big Five.

"Toyota deve estar habilitada a competir por uma fatia maior no negócio de casas se assim o quiser ," disse em entrevista pelo telefone. "Tem a eficaz espinha dorsal do nome Toyota."

A fábrica Toyota -- onde martelar na madeira se confunde com o zunido das furadeiras e braços robóticos -- conta com o premiado método da companhia "just-in-time" que fabrica de acordo com o pedido e deixa rastro do estoque através de memorandos chamados de "kanban," que significa "sinais" em japonês.

Os trabalhadores na linha de montagem podem a qualquer momento puxar uma corda suspensa para parar a linha -- outra marca registrada da produção Toyota.

"Nós seguimos o Toyota Way não somente no Japão, mas globalmente, e nós seguiremos o mesmo na fabricação de casas," disse Senta Morioka, funcionário administrativo da Toyota.

entry Jul 3 2006, 11:58 PM
Rússia acaba com controle do rublo

* fonte BBCBrasil

A Rússia abriu mão do controle sobre sua moeda, o rublo, tornando-a plenamente conversível.
A medida permite que russos possam abrir contas fora do país e reduz restrições impostas a investidores estrangeiros.

O ministro das Finanças russo, Alexei Kuidrin, disse esperar que a medida traga dezenas de bilhões de dólares ao país em investimentos.

Mas analistas alertaram que a Rússia vai enfrentar concorrência internacional mais forte e corre o risco de superaquecer sua economia.

Nos últimos anos, o país vem presenciando um desmantelamento gradual de restrições a negócios e transições bancárias.

Em maio, o presidente Vladimir Putin anunciou que o plano de acabar com os controles sobre o rublo seria introduzido no dia 1º de julho - duas semanas antes da reunião de líderes do G-8 em São Petersburgo.

Até então, russos que queriam transferir fundos para contas em bancos estrangeiros tinham que depositar um quarto da quantia em uma conta no Banco Central.

Estrangeiros que queriam transferir dinheiro para a Rússia eram obrigados a fazer um depósito "colateral" como proteção contra capital especulativo.

Essas medidas foram suspensas e o governo russo quer que o rublo se torne uma moeda de forte circulação internacional - como o dólar ou euro.

Analistas dizem que, graças aos altos preços de petróleo e gás, recursos naturais abundantes na Rússia, o rublo tem boas chances de virar uma moeda atraente - um sinal de como o país se distanciou da situação de pobreza, inflação, dívidas altas e desvalorização nos anos 90, quando ninguém queria rublos, nem mesmo os russos.

Alguns analistas, entretanto, disseram que a eventual compra desenfreada de rublos por investidores estrangeiros pode causar um superaquecimento na economia russa.

entry Jul 2 2006, 11:32 PM
Superávit brasileiro recua e fica em R$ 6,303 bi em maio

* fonte Reuters

O setor público consolidado do Brasil registrou em maio um superávit primário de R$ 6,303 bilhões. Em igual mês do ano passado, o superávit tinha sido de R$ 6,314 bilhões.

O BC informou ainda nesta quinta-feira que, em 12 meses encerrados em maio, o superávit primário acumulado correspondeu a 4,51% do Produto Interno Bruto (PIB) - acima da meta fiscal de 4,25% do PIB estipulada para este ano.

De janeiro a maio, o superávit acumulado foi de R$ 46,710 bilhões, ante R$ 50,326 bilhões apurado no mesmo período de 2005.

O BC divulgou também que a dívida líquida total do setor público ficou em 50,7% do PIB, frente a 51,0% do PIB em abril.

entry Jul 1 2006, 11:47 PM
Justiça considera proposta da Varig Log "convincente"

* por Invertia

A Justiça do Rio de Janeiro considera "convincente" e de acordo com a lei a proposta de compra da Varig apresentada pela Varig Log, informa nota divulgada na tarde desta sexta-feira pelo Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro (TJ-RJ). A avaliação oficial dos documentos apresentados pela Varig Log, no entanto, só sairá na próxima semana.

Segundo o juiz responsável pelo caso, Luiz Roberto Ayoub, da 8ª Vara Empresarial do TJ-RJ, os investidores garantiram algum fluxo de caixa para o fundo de pensão da Varig, o Aerus, e para o programa de milhagem Smiles. "Eles também se comprometeram a assumir os bilhetes aéreos já adquiridos", declarou Ayoub por meio da nota.

Ayoub recebeu nesta sexta-feira em sua sala o chinês Lap Chan, principal executivo do fundo de investimento norte-americano Matlin Patterson, acionista da Volo do Brasil. Sobre o encontro, ele declarou: "conforme as informações dadas hoje pelos investidores, estamos mais seguros que uma solução viável aconteça rapidamente".

Proposta
A Varig Log, que pertence à Volo do Brasil, ofereceu US$ 485 milhões pela Varig e disponibilizou outros US$ 20 milhões para manter as operações da empresa no decorrer das negociações.

Desse montante, US$ 7 milhões foram depositados ao longo desta semana. Nesta sexta-feira, o depósito foi de US$ 1,5 milhão. A quantia foi usada para pagar credores, fornecedores e parte dos salários atrasados de funcionários da empresa.

A ex-subsidiária do transporte de cargas da Varig apresentou a proposta de compra da companhia aérea no dia 23 de junho, após o cancelamento do leilão realizado no 8 do mesmo mês e vencido pela NV Participações.

A NV, liderada pela entidade Trabalhadores do Grupo Varig (TGV), não conseguiu empréstimo do BNDES ou acordo com parceiros e admitiu na semana passada que não teria os US$ 75 milhões exigidos pela Justiça como primeira parcela que garantiria a aquisição da empresa.

Esclarecimentos
Esta semana, a Justiça pediu à Varig Log esclarecimentos sobre dois pontos da proposta de compra da Varig. Um deles era o que seria feito do programa de milhagens da empresa, o Smiles, e o outro era o detalhamento sobre a forma como seriam pagas as dívidas acumuladas pela companhia aérea ao longo da crise.

A primeira parte do detalhamento foi entregue na quarta-feira ao juiz Ayoub pelo advogado da Varig Log, João Afonso de Assis. Pouco depois da entrega, a Justiça estabeleceu novo prazo para a companhia esclarecer a proposta, devido à "complexidade do negócio". Na quinta, novos detalhes foram apresentados e encaminhados ao promotor do Minístério Público Estadual, Gustavo Lunz e à consultoria Deloitte, administradora do processo de recuperação judicial da empresa.

Segundo o promotor Lunz, houve mudanças em relação a venda de ativos, aos preços que serão exigidos e à forma de pagamento do total de US$ 485 milhões oferecidos para a compra. "A proposta continua contemplando o Smiles [programa de milhagens da Varig], o Aerus [fundo de pensão da companhia] e as dívidas trabalhistas da empresa", afirmou Lunz.

"Há uma satisfação a todos os credores e ficou claro que não são só promessas, mas ações efetivas", disse o promotor, ao referir-se aos depósitos feitos ao longo da semana.

Riscos
A proposta da Varig Log dependia de sua aquisição pela Volo do Brasil. A transação foi aprovada pela Agência Nacional de Civil na madrugada do dia 24 de junho, logo após a apresentação da oferta pela Varig.

O aval da agência ainda gera controvérsias pela rapidez com que foi anunciado, mas o ministro da Defesa, Waldir Pires, e o presidente da Anac, Milton Zuanazzi, garantem a legitimidade do processo.

entry Jun 30 2006, 10:54 PM
Investimentos

* por Equipe consultAR

Prejudicados pelas incertezas em relação ao futuro dos juros nos Estados Unidos, os mercados de renda variável de todo o globo passaram por fortes ajustes nos últimos pregões. O Ibovespa, por exemplo, acumula perdas superiores a 13% desde os 41.979 pontos atingidos no pregão de 9 de maio.

Apesar de ressaltarem que o mercado deve continuar refém do humor internacional até que se visualize uma melhor definição sobre futuro dos Fed Funds, analistas comentam que as recentes e expressivas quedas do Ibovespa podem ter criado atrativas oportunidades para investidores com horizontes de longo prazo, tendo em vista que os fundamentos domésticos continuam equilibrados.

Venda por parte dos estrangeiros
Neste contexto, os papéis que mais sofreram nos últimos dias foram, de modo geral, aqueles que registraram melhor desempenho nos últimos meses, aqueles que desfrutam de menor liquidez e os que apresentam maior alocação junto aos investidores internacionais.

Dentre estes, destaque para as ações de empresas que estrearam no mercado nos últimos meses, em processos de abertura de capital e novas ofertas. Isso se explica, em grande parte, pelo fato de que elevadas parcelas destas operações foram colocadas junto a investidores estrangeiros, superando, em alguns casos, 80% do montante total da oferta.

Interessantes oportunidades de compra
Um bom exemplo de papéis que nos últimos dias acabaram prejudicados mais por esse forte movimento de realocação de carteiras do que por fatores fundamentalistas são os da Cosan, Rossi Residencial, CSU CardSystem, AB Note, Submarino e UOL, que deste o último dia 10 de maio recuaram cerca de 20%.

Além disso, interessantes oportunidades de entrada também podem ter sido criadas quando falamos de Cyrella, Localiza, DASA e Company que acumularam perdas de aproximadamente 15% de seu valor de mercado nos últimos 19 pregões.

Por fim, também se apresentando como alternativas de aplicação, ficam Equatorial Energia, TOTVS e Lojas Renner, empresas cuja desvalorização acumulada de suas ações desde o dia 10 de maio ronda os 10%.

entry Jun 29 2006, 10:55 PM
Varig Log entrega mais detalhes sobre compra da Varig nesta quinta

* por Invertia

A Varig Log, que pertence ao grupo Volo do Brasil, deve entregar nesta quinta-feira mais detalhes sobre a proposta de compra da Varig.

As informações foram pedidas pelo juiz Luiz Roberto Ayoub na quarta-feira, após reunir-se com representantes da consultoria Deloitte, que administra o processo de recuperação judicial da empresa, e o promotor Gustavo Lunz, do Ministério Público Estadual (MPE) do Rio de Janeiro.

O principal ponto de discussão é o pagamento de dívidas da empresa. Inicialmente, a Varig Log pretendia usar apenas em investimentos a quantia oferecida pela Varig. Uma liminar obtida pela Fazenda Nacional, porém, determina que o dinheiro seja usado na quitação de dívidas tributárias e previdenciárias da empresa.

Na primeira proposta de compra apresentada, não havia detalhes sobre a forma de pagamento dessas dívidas ou sobre os débitos acumulados pela aérea com outros credores privados e estatais, inclusive com empresas de leasing norte-americanas.

A Varig Log ofereceu US$ 485 milhões pela Varig e disponibilizou outros US$ 20 milhões para garantir a operação da companhia aérea ao longo das negociações. Desse montante, pouco mais de US$ 300 mil foram depositados na quarta-feira, US$ 1,5 milhão na terça e US$ 3 milhões, na segunda.

A proposta foi apresentada na sexta-feira, após o cancelamento do leilão realizado no dia 8 de junho e vencido pela NV Participações.

A NV, liderada pela entidade Trabalhadores do Grupo Varig (TGV), não conseguiu empréstimo do BNDES ou acordo com parceiros e admitiu na semana passada que não teria os US$ 75 milhões exigidos pela Justiça como primeira parcela que garantiria a aquisição da empresa.

EUA
A Varig corre o risco de devolver peças e aeronaves arrendadas de empresas norte-americanas de leasing.

O juiz Robert Drain, da Corte de Falências de Nova York, decidiu na quarta manter a liminar que protege a empresa do arresto até o dia 21 de julho. Drain determinou, porém, que as empresas interessadas em obter de volta os equipamentos poderão fazer o pedido por escrito e encaminhá-lo ao advogado da aérea no exterior, Rick Antonoff.

Após a entrega do pedido oficial, a Varig tem um prazo de dez dias para fazer a devolução.

Vôos suspensos
A Varig informou na quarta-feira que manterá até a próxima segunda a suspensão de vôos nacionais e internacionais anunciada na semana passada. Entre os destinos dos vôos suspensos estão Madri, Los Angeles, Cidade do México e Milão (Itália).

A companhia aérea continua operando com vôos para Frankfurt, Londres, Miami (alternando com Nova York), Buenos Aires, Lima, Santa Cruz de La Sierra (Bolívia), Santiago, Caracas, Aruba e Copenhague.

Nas operações domésticas, estão mantidos os vôos para: Rio de Janeiro, São Paulo, Salvador, Recife, Fortaleza, Belém, Manaus, Foz de Iguaçu, Curitiba, Porto Alegre, Florianópolis, Fernando de Noronha, Macapá e Brasília.

entry Jun 28 2006, 04:01 PM
6 segredos que você não vai aprender na escola

* por Alexandra Levit, autora de "They Don't Teach Corporate in College: A Twenty-Something's Guide to the Business World"

Quando desembarquei numa empresa top de relações públicas após a graduação, pensei que a parte mais difícil do mundo dos negócios havia terminado. Eu joguei fora os meus curriculos extras e aguardei avidamente um salário que quase nunca dava para cobrir o aluguel. Estava ansiosa por viagens de negócios, brainstorms estimulantes e participar do happy hour de toda sexta-feira.

Alguns anos mais tarde, nunca participei de um happy hour porque nas sextas à noite estava desmaiada no sofá. Estive na posição em que entrei na empresa por 16 meses, enquanto pessoas com metade da minha inteligência e ética passavam por mim. Meu curriculo listava quatro posições em três anos porque estava sempre a procura de uma oportunidade melhor, que trouxesse a sempre imprecisa satisfação no trabalho.

Eventualmente, considerei em seguir um grande números de amigos que estavam deixando o mundo corporativo em favor das escolas de negócios e direito. A idéia de voltar a estudar é tentadora, e por que não? Estamos confortáveis com o conceito de escola. Sabemos como as coisas funcionam. Se você se esforçar, você terá boas notas, e todos são felizes.

O mundo dos negócios é outro animal completamente diferente. Motivado politicamente e cheio de mudanças sem sentido, não é um lugar natural para graduados ambiciosos que deixam a escola esperando resultados de uma combinação lógica de educação e esforço. De repente, os princípios de sucesso que seguimos desde o jardim de infância não se aplicam, porque estar na frente no mundo dos negócios freqüêntemente não tem nada a ver com inteligência ou exceder expectativas pré-definidas. Visto que não ensinam sobre essas artimanhas corporativas, aqui vão seis dicas para ajudar a vencer no jogo do mundo dos negócios:

Desenvolva uma imagem corporativa:
Pense em você mesmo como um publicitário que tem a tarefa de se auto-promover. Aprenda a capitalizar suas habilidades, asseverar brevemente suas realizações e projetar a "pessoa corporativa" -- ou sua face mais madura, profissional e competente.

Estabeleça relações lucrativas:
Rede de negócios é uma ferramenta importante para ganhar informação, aumentar a visibilidade em sua área e fazer novas conexões que vão ajudá-lo a seguir em frente em sua carreira. Busque novos contatos e mentores em potencial, quem você goste e admire e compartilhe dos seus interesses. Em outras palavras, não espera que sua chefe descubra do que você é feito e a que veio. Determine as prioridades dela, descubra o que ela quer de você, e faça um brainstorm da maneira de superar as suas expectativas.

Aperfeiçoe habilidades como estabelecer objetivos, comunicação efetiva e administração do tempo:
Você pode não saber exatamente o que quer da sua vida, mas habilidades pessoais vão servi-lo bem não importa o caminho que você decida trilhar. Faça o seu tempo contar agora trabalhando com o seu chefe para especificar, objetivos razoáveis e atingíveis para a sua posição atual que vão ajudá-lo a avançar para a etapa seguinte.

Fique motivado apesar das circunstâncias:
Não há duvida que o mundo dos negócios pode ser frustrante, mas lembre-se que você pode escolher a sua resposta para o seu ambiente. Se você tomar uma decisão consciente de começar cada dia com uma atitude positiva, condições negativas no trabalho não vão poder tirar isso de você. Focalize em aumentar sua auto-percepção para que possa entender melhor os seus botões emocionais.

Faça com que as pessoas cooperem:
Sempre tenha em mente que as outras pessoas não se importam com o que você quer -- elas querem saber o que há para elas. Aproxime-se de negociações com uma atitude que permita que ambas partes ganhem, você vai ser mais efetivo em provocar a cooperação e no final das contas conseguir o que você deseja.

Seja pró-ativo sobre o crescimento da sua carreira:
Acesse sua revisão de performance estrategicamente, solicitando feedback do seu progresso, identificando novos objetivos e oportunidades de crescimento e forjando um plano de promoção a longo prazo. Quando pedir um aumento a seu chefe, esteja preparado com uma lista de contribuições que tiveram sobretudo impacto positivo.

Quando você está lutando para sobreviver em um emprego corporativo, pode ser uma conquista apenas passar através do dia. Mas se em qualquer ponto você sentir que seguindo estes passos não está valendo o esforço, apenas considere quanto tempo você provavelmente vai gastar no mundo dos negócios. Assumindo que você trabalhe dos 22 aos 65 anos por 235 dias ao ano, você estará a disposição de outra pessoa por 80,000 horas, ou um décimo de sua vida. Não é razoável que você faça todo o possível para criar uma experiência de trabalho compensadora?

Alexandra Levit trabalhou para uma empresa de software que consta da Fortune 500 e para uma empresa de relações públicas internacionais antes de fundar a Inspiration @Work, uma consultoria de carreira e treinamento corporativo. Ela é autora de "They Don't Teach Corporate in College: A Twenty-Something's Guide to the Business World" (Career Press 2004). Web site: www.corporateincollege.com.

entry Jun 27 2006, 09:05 PM
VarigLog faz novo depósito para tentar salvar a Varig

* por UOL News

Rio de Janeiro, 27 jun (EFE).- A transportadora VarigLog, única interessada em comprar a Varig depois da crítica situação da companhia aérea brasileira, fez hoje um novo aporte financeiro de emergência para ajudá-la a manter-se no ar provisoriamente.

A VarigLog fez um novo depósito, cujo valor não foi divulgado, para alimentar o fluxo de caixa da Varig, segundo porta-vozes da companhia aérea. Na segunda-feira, a empresa já havia injetado US$ 3 milhões para tentar garantir as operações da Varig.

A ex-subsidiária da Varig tenta evitar a suspensão dos vôos por falta de recursos para garantir as operações diárias da companhia aérea, fazer a manutenção nas aeronaves, pagar as taxas aeroportuárias e o combustível, e abonar os salários dos empregados.

A VarigLog apresentou uma proposta de US$ 500 milhões para adquirir o controle da Varig na última sexta-feira, pouco depois de a Justiça anular a venda da companhia aérea ao consórcio liderado pela associação de Trabalhadores do Grupo Varig (TGV).

Como a associação não fez o pagamento da primeira cota dos US$ 450 milhões com os quais pretendia comprar a companhia aérea, o juiz encarregado pelo processo de recuperação judicial da empresa anulou a venda e aceitou estudar a proposta da VarigLog.

A ex-subsidiária agora espera um pronunciamento da justiça sobre sua proposta de compra, a última chance de salvação para a companhia aérea que chegou a ser uma das maiores do país e que hoje vive sua pior crise e com dívidas estimadas em US$ 3 bilhões.

O juiz responsável pelo processo da companhia aérea, Luiz Roberto Ayoub, pediu um prazo até quarta-feira para avaliar os detalhes da proposta e decidir se aceita a oferta da VarigLog, se convoca um novo leilão de venda da empresa ou se definitivamente declara a falência.

Na quarta-feira a Justiça americana também deverá anunciar sua decisão sobre a postergação ou suspensão de uma medida que impede provisoriamente o bloqueio das aeronaves alugadas para a Varig por empresas americanas que estão sem receber.

A VarigLog informou que, independentemente de sua oferta ser aceita ou não, está disposta a injetar até US$ 20 milhões para garantir as operações da Varig por alguns dias.

As suspensões dos últimos seis dias superaram diariamente mais de 50% dos vôos programados.

Além da suspensão de vôos programados, a Varig anunciou na semana passada o cancelamento temporário de 50% de suas rotas internacionais e 30% das nacionais.

Entre as rotas canceladas estão as que tinham como destino Milão, Munique, Madri, Paris, Nova York, Miami, Los Angeles, Cidade do México, Montevidéu, Assunção e Bogotá.

entry Jun 26 2006, 09:15 PM
Relatório especial sobre TV Digital: Saiba porque o modelo japonês é a pior escolha

* por Polibio Braga

No início deste mês, no dia 1o, esta página alertou para a iminência de uma tomada de posição burra por parte do governo Lula, que mal orientado pelo cabotino ministro das Comunicações, o jornalista Hélio Costa, optaria pelo modelo japonês de tecnologia de TV digital, o ISD (Integrated Systems Digital). Este modelo é o queridinho das emissoras de TV, inclusive da Rede Globo, ex-empregadora e sócia de Hélio Costa na sua TV de Minas.

O governo Lula está dando uma banana para os outros tipos de mídia, quando se sabe que será inevitável que elas convirjam entre si. A referência desta página é claramente dirigida aos telefones celulares e aos computadores (a rede www ou Internet), apenas para exemplificar (leia mais sobre o assunto, mais adiante).

Hélio Costa é parte interessada. A rigor deveria se julgar impedido.

Os outros dois modelos que estão sendo preteridos são o europeu (DVB ou Digital Vídeo Broadcasting) e o americano (ATCS ou Advanced Television Systems Commitee).

Lula não entende nada do assunto e nem quer se meter na discussão. Ele demonstra desprezo pelo que não entende. Lula quase não entende nada de tudo.

O Brasil entrará numa aventura.

E é um negócio de R$ 150 bilhões ao longo de dez anos. Todas os 70 milhões de televisores dos brasileiros terão que ser trocados. As emissoras de TV serão obrigadas a se reciclar.

É muito, mas muito dinheiro em jogo.

Ainda há tempo para que a sociedade brasileira intervenha nesse jogo.

No dia 29, Brasil e Japão querem anunciar o acordo em Brasília. O Japão promete financiar todo o processo de mudança, coisa que europeus e americanos também prometeram.

entry Jun 25 2006, 08:48 PM
BR pode cortar amanhã fornecimento de combustível à Varig

* por Invertia News

O prazo dado pela BR Distribuidora à Varig para pagamento do fornecimento de combustível termina nesta segunda. O prazo, que terminaria na última sexta-feira, foi prorrogado até segunda-feira. A Varig tem dívidas de mais de R$ 400 milhões com a BR Distribuidora.

A Infraero, que administra os aeroportos brasileiros, também decidiu, na sexta-feira, dar mais prazo à Varig para que a empresa pague as taxas operacionais. A estatal vai cobrar as tarifas aeroportuárias à vista, e antes de cada vôo. A cobrança será iniciada à 0h do dia 1º de julho. Uma carta formal foi enviada à Justiça informando a decisão.

A Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) aprovou no sábado a venda da ex-subsidiária de transporte de carga da Varig, a VarigLog, pela Volo, que é vinculada a um grupo estrangeiro. O presidente da Infraero, brigadeiro José Carlos Pereira, afirmou que a decisão da Anac foi "impatriótica".

Na última sexta-feira, o juiz da 8ª Vara Empresarial do Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro, Luiz Roberto Ayoub, cancelou a venda da Varig para o consórcio NV Participações por falta de pagamento da primeira parcela.

446 Páginas V « < 443 444 445 446 >  
DSTQQSS
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31